Bolsa de Estudo "Novo Horizonte"

  1. Objectivo:

    Apoiar a educação do interior da China, admitindo os melhores alunos do interior da China, cujas famílias tenham dificuldades financeiras para os apoiarem na frequência de cursos de ensino superior.

  2. Destinatários financiados:

    Os alunos candidatos à Bolsa de estudo "Novo Horizonte" devem ser recomendados pelas escolas secundárias das províncias do interior da China, através da apresentação de um documento de recomendação - “lista dos melhores alunos”. Os resultados do exame unificado nacional para entrada no ensino superior, dos alunos candidatos, devem atingir o nível definido para a cidade, ou para a região autónoma, ou para a província em que a escola se situa. Estes alunos candidatos devem ser os melhores alunos que tenham revelado grande capacidade, e cujas famílias tenham dificuldades financeiras para os apoiarem na frequência de cursos de ensino superior.

  3. Número de bolseiros:

    1 para Beijing; 2 para a Província de Xinjiang; 1 para a Província de Shanxi; 1 para a Província de Anhui; 1 para a Província de Jilin; 1 para a Província de Guizhou; 1 para a Província de Heilongjiang; 3 para a Província de Sichuan; 1 para a Província de Jilin; 1 para o projecto “Oasis" chinês. O número total é 12.

  4. Formas de atribuição:

    O financiamento é pago através da isenção do pagamento de propinas e de despesas de alojamento, e através da atribuição do subsídio de despesas gerais.

  5. Reatribuição do prémio de estudo:
    • 5.1 No caso de o bolseiro, no final de ano lectivo, estar dentro do grupo dos primeiros 25% dos melhores resultados do curso que frequenta, ou ter o resultado de GPA de 2,5 ou mais de 2,5, sendo recomendado pelo Director de Escola Superior que frequenta, a este aluno pode ser reatribuído, no ano lectivo seguinte, o valor total da bolsa de estudo, através das seguintes formas: isenção do pagamento de todas as propinas; isenção do pagamento das despesas de alojamento; atribuição, por mês, do "subsídio de despesas gerais de um valor de $3.000 patacas.
    • 5.2 No caso de o resultado GPA do bolseiro, no final de ano lectivo, estar dentro do grupo dos primeiros 40% dos melhores resultados da “turma” em que está integrado, a este aluno pode ser reatribuída, condicionalmente, no ano lectivo seguinte, a bolsa de estudo, através das seguintes formas: isenção do pagamento de todas as propinas; a isenção do pagamento das despesas de alojamento; atribuição, por mês, do subsídio de despesas gerais de um valor de $1.500 patacas (50%).
    • 5.3 No caso de o resultado GPA do bolseiro, no final de ano lectivo, ser inferior a 2,0, a este aluno não será reatribuída a bolsa de estudo. Será o aluno que suportará todos os encargos com propinas, com despesas de alojamento e com todas as despesas gerais.
    • 5.4 Se o resultado GPA do bolseiro a que foi reatribuída, condicionalmente, a bolsa de estudo, ou a que não foi reatribuída a bolsa de estudo, reatingir, no final de ano lectivo, as condições referidas nas alíneas 1) ou 2) do número 5 deste regulamento, a este aluno será reatribuída a bolsa de estudo mencionada na alínea 1) ou na alínea 2).
    • 5.5 O prazo da atribuição da bolsa de estudo é quatro anos lectivos. Se o bolseiro não concluir o plano de estudo dentro desses quatro anos, será o aluno que suportará todos os encargos referentes à frequência do curso no Instituto Politécnico de Macau.
  6. Omissões

    Os casos omissos são resolvidos por deliberação do Conselho de Gestão do Instituto Politécnico de Macau.

Observações: O Instituto Politécnico de Macau reserva-se o direito da decisão final sobre as regras dos prémios de estudo.