黃蕾 Renee Huang

Aluna de Intercâmbio do Curso de Lincenciatura em Traduçâo e Interpretaçâo Chinês - Português


Meus dois anos em Portugal

 

Agora já acabamos os dois anos de vida em Portugal. Existe algumas coisas lembraram-nos muito, mas também existe algumas coisas que têm de melhorar.

1. Primeiro, sobre os estudos no IPL.
Métodos de ensino em Leiria é diferente como nós estudamos em Macau e na China.
Quando estávamos no segundo ano, a disciplina de Português ensinou-nos a aprender histórias de infantil. Se calhar por causa de nosso nível de português estava baixo e conhecíamos poucas palavras, mas não gostávamos de ser tratados como crianças, histórias de infantil ensinaram-nos nada. Bem, a nossa professora foi graduada de curso de ensino de básico.

Quando estávamos no terceiro ano, a nossa professora da disciplina de Português VI estava grávida, por isso tínhamos duas professoras da mesma disciplina. É pena que outra professora nova faltou muitas aulas por causa de doença do filho dela, mas ela ensinou-nos muito bem, explicou muito quando tivemos dúvida.

Não sei se por causa da professora estava grávida, alguma vez ficou zangada connosco, não nos dou oportunidade a explicar quando nós queríamos dar algumas sugestões de métodos de ensino, por isso alguns colegas tiveram conflitos com ela.

Penso que disciplina de Inglês é muito importante, desejo que esta disciplina fosse uma disciplina principal como português. Disciplina Inglês começou no terceiro ano, ensinou-nos as coisas básicas, especial gramática que já aprendemos na primeira escola ou na secundária! Não acreditou. Já há dois anos não estudamos inglês desde entramos à universidade (não tínhamos disciplina de Inglês até estávamos no terceiro ano), e não aprendemos coisas novas no terceiro ano, claro que o meu nível de inglês está pior do que eu estava na escola secundária.

Outra disciplina que eu quero criticar é teoria de tradução. Meu deus, o que é este? Não temos nenhuma tradução ou interpretação prática, como sabemos as teorias. Esta disciplina é muito difícil, a professora mandou-nos aprender todo o livro no nosso próprio e fazer nossas apresentações na aula. Não conseguimos aprender as teorias de tradução sozinhos. O meu colega disse que temos esta mesma disciplina no nosso 4º ano….O quê? Repetir! Não só por causa de difícil para entendermos, mas também inutilizado quando não temos nenhuma experiência de tradução ou interpretação. Desejamos que as escolas do IPL e IPM darão algumas aulas ou oportunidades para nós a traduzir ou interpretar português e chinês, portanto temos experiência para entender bem as teorias de tradução, e essa disciplina vai ser útil.

Não gosto dos professores que nos mandaram a imprimir os materiais, porque?! Os materiais são enormes e gastam-nos muito dinheiro, não somos ricos! Bem, imprimimos, mas no final, a maioria dos materiais nunca foram usados, devemos por os papeis no lixo, pusemos dinheiro no lixo também, que ridículo.

Claro que há alguns professores ensinaram-nos muitas coisas, como a professora da disciplina de Literatura em Português Cristina e o professor de e Europeias Jorge, eles são professores muito simpáticos e ensinam muito bem. Gostei muito deles e das aulas deles. No início, achamos literatura portuguesa era uma disciplina mais difícil do que outras disciplinas, mas Cristina explicou-nos e ajudou-nos tanto, no final consegui ter boa nota nesta disciplina. Jorge é um professor muito interessante e humor, ele gosta da cultura chinesa e tinha aulas de aprender chinês. Ele explicou as leis europeias com exemplos interessantes e brincou sempre connosco, é uma forma utilizada de ensinar os alunos, gostamos muito dele, também tive boa nota desta disciplina.

Totalmente, por causa de mal-entendido dentro de nós estudantes e os professores portugueses. Os problemas não sabem bem os nossos níveis e as informações ou as situações de nos, usam os métodos de ensino portugueses a tratar nós. Nós também não concordamos os métodos de ensino deles. Os dois anos para nós, parece passávamos tempo em Portugal e não aprendíamos algumas coisas importantes dentro da aula. Dois anos, é um período muito longo, é melhor só um ano que ficar em Portugal. Já sei que os alunos novos do IPM vêm ao IPL só um ano no futuro, que feliz deles, gastam mais tempo no IPM a estudar mais coisas úteis. Eu sei que o ambiente é importante para aprender língua estrangeira, mas como crescemos na China e costumamos os métodos de ensino chineses, penso que é melhor aprender mais coisas úteis e técnicas nas aulas do IPM, e depois ir para fora (Portugal) continuar a estudar, ou seja, é melhor ir a Portugal no terceiro ano e um ano já chega.

2. Segundo, sobre as actividades organizadas.

Gostei muito das actividades organizadas pela escola IPL, mas só em 2010, quando estávamos no segundo ano. A escola trouxe-nos à praia, ao Jardim de Buddha Eden… Gostei das viagens organizadas pela escola. Mas infelizmente, quando estávamos no terceiro ano, Portugal sofreu crise, por isso escola falta de dinheiro para organizar as actividades como antes. Todo o ano 2011, quase não há nenhuma actividade, é uma pena grande. O que me lembrei muito é que o professor Jorge trouxe-nos ir a Lisboa para visitar Assembleia de Portugal, fomos visitar Câmara Municipal das Caldas de Rainha, portanto conhecemos melhor como funciona das Instituições Portuguesas e ajudou-nos aprender bem a disciplina que ensinou por ele. Todo o ano, os professores chineses com IPL organizam umas semanas de cultura chinesa, mostram gastronomia, música e artes chinesas aos portugueses. Especial uma semana de gastronomia chinesa, nós alunos chineses ajudaram os professores chineses a fazer um prato típico chinês – JiaoZi, dividimos e cooperamos, é uma actividade muito interessante que nos divertimos muito.

No final do nosso curso, escola IPL organizou uma pequena (por causa de crise :) festa de despedida com os professores e connosco, era última vez que juntamos, tiramos fotos e conversamos.

Só tem pena que não há mais actividades como estávamos no segundo ano, é tudo por causa de crise de Portugal. Coitado!

3. Terceiro, sobre dormitórios e governantes do dormitório.
Vivemos com os portugueses nos quartos. O ambiente e as instalações são muito bons. Os sanitários vão limpados pelas funcionárias todos os dias. Temos cozinhas suficientes, dois frigoríficos para conservar as nossas comidas. Alguns colegas têm problemas com os colegas portugueses do quarto, mas também há alguns se dão bem com os portugueses. Para mim, no primeiro ano que vivi em IPL, a minha colega do quarto é muito simpática, única coisa que não gostei é que ela saiu sempre à noite e voltou da manhã bem cedo, quando ela voltou ao quarto, acordei-me e não consegui dormir bem. Percebi que isso é por causa dos hábitos portugueses – gostam de sair à noite aos bares e beber álcoois. Felizmente, não tinha esse problema no meu segundo ano em IPL, mudei quarto e tinha uma nova colega de quarto. Ela estava no 4º ano e estava no estágio. Ela nunca voltou a dormir e eu só encontrei ela duas vezes. Isso significa que eu vivo todo o ano sozinha, não tinha nenhum problema com colega de quarto mas também faltei uma boa oportunidade de falar e praticar português com colega de quarto.

Existe alguns portugueses não gostam dos chineses, eles pensam que todas as coisas más são feitos pelos chineses. Às vezes os meus colegas sentam-se injustiçados que os portugueses não nos acreditam! Encontrei algumas situações no dormitório. Algumas vezes, quando foi a trocar roupas de cama, cumprimentei às funcionárias, elas ouviram mas não me deram nenhuma resposta e mostraram-me o rosto feio! Penso que elas faltam de respeito aos chineses. Mas só algumas pessoas e algumas vezes, não me importa muito.

Tenho uma sugestão ao dormitório do IPL. Quando atribuir os estudantes aos quartos, é melhor que governantes do dormitório fazem perguntas aos portugueses, se quiserem viver com os estrangeiros (especialmente com os chineses), e também fazem perguntas aos estudantes chineses, preferem viver com os portugueses ou os chineses, depois dividir os estudantes. Penso que isso faz sentido e se calhar pode limitar o maior problema.

Cada semana, podemos trocar roupas de cama, gostei muito, higiénico e conveniente. Com tudo, vivi no dormitório de IPL com muitas felicidades.

Isso é tudo o que eu quero falar sobre os meus dois anos em IPL, além da vida na escola, divertimos muito por aproveitamos a viajar quase toda a Europa, era uma oportunidade óptima a conhecer o mundo que fora da China! Embora que os nossos dois anos não fossem perfeitos, aprendemos muitas coisas que fora das aulas, mudamos os valores sobre todas as coisas e crescemos muito, tudo vale pena!

Obrigada!