Zhou Ruizhe

MPI student from the Bachelor of Social Sciences in Sino-Lusophone Trade Relations, School of Public Administration, exchange to the Polytechnic Institute of Leiria, Portugal

 

Primeiro gostaria de agradecer imenso ao nosso instituto politécnico de Macau que nos proporcionou a oportunidade significante e preciosa do programa de intercâmbio.
O tempo voa, e agora, esta a chegar ao fim do ano lectivo. Depois de ficar num país estrangeiro por quase 10 meses, sem sombra de dúvida, tenho muita saudade da minha terra natal, mas também me sinto complicado que já estabeleci uma relação profunda com este país longínquo e não quero dizer adeus.

No inicio, estava muito ansioso a espera do que seria, mas ao mesmo tempo, preocupado dado que é a primeira vez que iria viver num outro país com uma duração tão comprida. Eu sabia que seria um desafio para mim nomeadamente no aspecto da vida independente e aspecto da comunicação e relação interpessoal. Contudo, o IPLeiria teve consideração que provavelmente os alunos não conseguiam adaptar-se imediatamente ao ambiente, portanto preparou muitas actividades divertida para os alunos internacionais. Veja-se, por exemplo, a visita da cidade e do distrito Leiria com a finalidade de conhecermos os alguns conhecimentos sobre a história e a cultura da região, a festa dos alunos com o objectivo de “ice breaking” bem como o dia dos alunos internacionais para apreciar os únicos patrimónios culturais das várias nacionalidades. Também os professores e funcionários são simpáticos e pacientes, em que fizeram tudo que fosse possíveis para nos apoiar. Tudo isso, fez com que fosse mais facial nós habituar-mos à vida em Portugal. Fomos bem tratados a partir de chegarmos a este terra. Agradeço tambem ao IPL pela sua dedicação ao nosso grupo.

Quanto ao meu sentimento da vida, a vida em Leiria pode ser tranquila, mas não é nada aborrecida, apesar de que seja uma cidade relativamente pequena. O clima é fantástico, e já costumo tomar uma bica com os meus amigos portugueses na esplanada para aproveitar as luzes solares agradáveis nos tempos livres. Tivemos oportunidade de conhecer diversas festas, assim como o festival da cidade, a semana académica, a festa da queima das fitas, o desfile do carnaval, o mercado de natal, e outras actividades engraçadas e espectaculares. Isto, não apenas nos atraiu para participar e comemorar com os locais, mas também nos motivar para falar e treinar a língua portuguesa. Além disso, uma vez que temos de resolver todos os problemas encontrados independentemente, viver numa terra exótica ensinou-nos muitas coisas duma velocidade incrível. Posso cozinhar as comidas de que gosto. Posso ir ao hospital e comunicar em Português e também posso viajar sozinho. A minha mãe nunca imaginava que o seu filho poderia aprender tanto somente em um ano. Através das actividades e experiências, bem como as aulas, a minha capacidade da língua melhorou imenso do que o início.

Excepto de ver as paisagens maravilhosas em Portugal, eu passei em 10 outros países europeus. As viagens não apenas aprofundou a minha compreensão para a história e cultura europeia, mas também abriu a minha perspectiva para um mundo maior. Também, devido à proximidade do continente africano, tive oportunidade de ir ao Marrocos. Viver numa família muçulmana e cruzar o deserto, das quais são memórias inesquecíveis. Depois de voltar para a China, vou ter saudade dos países encantadores e mágicos da Península Ibérica. Talvez, como os professores portugueses em Macau, irei chorar quando ouvir o fado.