Pedro Reis

Exchange student from CCISP (The Portuguese Polytechnics Coordinating Council)


My thoughts in Macau, from Macau....


Desde pequeno que tenho a sensação que os meus limites geográficos não se limitam à minha terra, à minha cidade ou ao meu país. Com isto não quero dizer que não os ame, quer dizer sim, que sempre tive curiosidade em conhecer e sentir o que havia para lá daquelas fronteiras.


Tive oportunidades esporádicas de conhecer vários sítios e vários países, mas não há nada como uma experiência de vida, mesmo que por poucos meses. É sempre melhor do que uma vivência de passagem, como por exemplo, uma situação de férias. Para além dos aspectos profissionais e académicos enriquecedores existem também aspectos culturais, pessoais que só com o trato pessoal no local é que se entende e se tem a noção das coisas.


exchangestudent nocaoPor isso decidi, embarcar nesta aventura e atravessar meio Mundo para encontrar-me com o Oriente (Macau), pois só assim, na minha opinião, teria a verdadeira noção do que é o Mundo e estar do outro lado do planeta. Com tradições diferentes, hábitos alimentares diferentes e com pessoas diferentes. Confesso que de início, tive algum receio, de ser posto de lado, ou de ser tratado de maneira diferente, mas o curioso, é que por ser “diferente” e vir de outro país trataram-me ainda melhor, com um sentimento muito acolhedor e com uma curiosidade enorme em relação à minha língua, à minha cultura e ao meu país. Estou de facto surpreendidíssimo com a maravilhosa recepção que tivemos. Posso dizer que todas as semanas tenho um convite, de pessoas diferentes, para algum tipo de actividade diversificada, na qual, eu tenho muito gosto em participar. Às terças-feiras à noite, vou jogar futebol com pessoas locais, que sempre nos receberam muito bem, tanto a mim como ao meu colega português Ricardo.


Apesar de sentir falta do nosso bacalhau, carne, enchidos, etc. Estou adorar a comida chinesa, muito diversificada, saudável e que consegue sempre surpreender-nos com algum novo tipo de condimento.


Depois de três meses em Macau, continuo surpreendido com a simpatia das pessoas por que passo todos os dias no Campus do IPM e que sempre têm um sorriso para me dar.


De facto não tem comparação a experiência no local, com ler um livro ou ver um filme. Aqui sentimos os cheiros, o clima, seja ele húmido, seco, quente ou frio e a sua luminosidade. Não há tecnologia moderna que nos proporcione tal experiência, sem estarmos presentes e sermos nós próprios a sentir na pele.


Espero que todos os alunos de países estrangeiros, sejam recebidos da mesma maneira em Portugal como eu fui em Macau. Não há melhor sensação que sentirmo-nos bem acolhidos, proporcionando-nos a sensação de que alguma forma estamos em casa.


Agradeço ao Instituto Politécnico de Macau pela sua hospitalidade, ao Instituto Politécnico de Coimbra e ao Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra por me terem dado esta oportunidade de vir para cá e à minha família (principalmente Mãe e Irmã) por me terem ajudado em tudo o que puderam na minha viagem a Macau e na minha viagem pela vida.